Andere behandelingsmogelijkheden zijn ED drugs, hormoonbehandelingen, een zuig-apparaat te maken, helpt een erectie of advies. Hier voorbereid we een aantal links naar de beste online apotheken die priligy bieden voor verzenden naar Nederland en België. Online apotheken hier getoond hebben een bewezen staat en zijn 100% betrouwbaar en leveren de echte Europese label pillen van de oorspronkelijke fabrikant. Zo kunt u gemakkelijk priligy kopen zonder recept online en zorg ervoor dat het zal thuis worden afgeleverd. De inhoud van uw medicijnkastje kan invloed hebben op uw prestaties in de slaapkamer. Een lange lijst van gemeenschappelijke medicijnen kunnen ED veroorzaken, met inbegrip van bepaalde bloeddruk medicijnen, pijnstillers en antidepressiva. Straat drugs zoals amfetamines, cocaïne en marihuana kan seksuele problemen te veroorzaken bij mannen,. Her forberedt vi nogle links til de bedste online apoteker, der tilbyder cialis til at sende til Danmark. Apotek nævnt på denne hjemmeside har en dokumenteret historie og er absolut pålidelig og levere den ægte piller fra den oprindelige producent. Så du kan trygt købe cialis online og være sikker på det vil blive leveret hjem - køb cialis i Danmark

2004 – MANÕA, MANAUS, AMAZÔNIA, TERRA SANTA: ALIMENTA O CORPO, EQUILIBRA A ALMA E TRANSMITE A PAZ

By 26 de agosto de 2017

Resultado
Campeã do Grupo Especial (LIESA) com 388,7 pontos

Data, Local e Ordem de Desfile
5ª Escola de 23/02/04, Segunda-Feira
Passarela do Samba

Autor(es) do Enredo
Comissão de Carnaval

Carnavalesco(s)
Comissão de Carnaval

Presidente
Farid Abrahão David

Diretor de Carnaval
Laíla

Diretor de Harmonia
Laíla

1º Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira
Selminha Sorriso e Claudinho

2º Casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira
Janailce e Carlos Augusto

Coreógrafo da Comissão de Frente
Ghislaine Cavalcanti

Bateria
Mestre Plínio e Paulinho Botelho

Contigente
N/D

Samba Enredo

Autor(es)
Cláudio Russo, José Luis, Marquinhos e Jessey

Puxador(es)
Luiz Antônio Feliciano Marconde (Neguinho da Beija-Flor)

A ambição cruzou o mar
Trazida pelo invasor
A Espanha veio explorar
Pilhar e semear a dor
Amazonas, Terra Santa
Dos igarapés, mananciais
Alimenta o corpo, equilibra a alma
Transmite a paz
Brilhou o Eldorado no coração da mata as guerreiras
Belezas naturais, riquezas minerais
O reino de Tupã ergue a bandeira

Êh! Manôa
Minha canoa vai cruzar o Rio Mar
Verde paraíso é onde Iara me seduz com seu cantar

Doce sabor da magia
Fruto da energia o meu guaraná
A lágrima que o trovão derramou
A terra guardou semente no olhar
Maués, Anauê cultura milenar
Anauê, Manaus, Mamirauá viva a Paris tropical
Água que lava minh´alma
Ao matar a sede da população
Caboclo ê a homenagem hoje é
A todo povo da floresta um canto de fé

Se Deus me deu vou preservar
Meus filhos vão se orgulhar
O Amazonas é Brasil, é luz do criador
Avante com a tribo Beija-Flor

Manôa – Manaus
Amazônia – Terra Santa
Alimenta o Corpo,
Equilibra a Alma e
Transmite a Paz

Os pedidos de proteção multiplicaram-se entre os tripulantes das embarcações que balançavam tranqüilas sobre o oceano silencioso.

Clamavam temerosos, aqueles aventureiros, ao poderoso senhor dos ventos, que lhes permitissem uma travessia vitoriosa rumo as fascinantes terras do “Novo Mundo”, sem tormentas ou furacões.

Já para o senhor das águas, imploravam por calmarias e correntes tranqüilas.

Dessa maneira, partiram os espanhóis rumo ao ocidente; entre fascinados e temerosos, porém, acima de tudo, encantados com os boatos que corriam sobre as riquezas daquelas terras distantes.

Com o peito impregnado de ambição, cada um daqueles rudes navegadores tentaria, de todas as maneiras, com a própria vida se preciso fosse, acumular fortunas.

Aparentemente, Éolos, o senhor dos ventos e Poseidon, o senhor das águas, de fato protegeram as embarcações e seus tripulantes, pois a viajem se mostrou sem grandes novidades.

No entanto, a ingratidão foi senhora guia daquelas almas.

Não hesitaram, ao tocarem o solo das Américas, em espalhar violência e dor.

Banharam sem piedade, com sangue de inocentes nativos, a terra da deusa Gaia e mancharam com a fumaça dos incêndios criminosos os céus do deus Urano.

Mas a cobrança dos deuses não tardaria a chegar.

Depois de conquistar e aniquilar os Astecas, Maias e Incas, soterrando sobre os escombros suas culturas e conhecimentos milenares, os espanhóis, entre delírios e realidades, provocados pela quantidade de ouro encontrada e pelas lendas contadas pelos povos vencidos, partem em busca da maior de todas as lendas nativas: Encontrar Manôa e o fantástico reino do Eldorado, com sua corte de fascinantes adornos e onde, conforme rezava a lenda, até a vegetação era do mais valioso metal e os frutos bordados com pedras preciosas de beleza jamais vista.

Guiados pelo faro da ambição, adentraram por uma floresta impressionante e navegaram por um rio que mais parecia um oceano.

Mas a carnificina deixada como rastro pelos espanhóis, jamais seria assistida impunemente pelos deuses.

Dessa maneira, Zeus, o deus dos deuses da antiguidade, deixou a cargo de Tupã, o deus dos deuses da grande floresta do “Novo Mundo”, a missão de deter o demônio inquieto da ambição.

Tupã liberou então a Cobra Rio Honorato para proteger a floresta. Atordoados e delirantes, os navegadores se viram atacados ferozmente por uma tribo composta somente por mulheres, vestidas completamente de ouro.

Passados dias e noites, enfim foram vencidos e expulsos. Acreditando terem encontrado ali, no seio da mata virgem, a mitológica tribo grega das temíveis Amazonas, batizaram o rio com o nome dessas guerreiras.

Anos depois, em outra mal fada expedição, os espanhóis proclamam-se independentes da coroa espanhola e fundam, em plena selva, um reinado espanhol onde Fernão de Gusmão é aclamado como rei.

Mas ao longo do grande rio e seus afluentes, a vida aflora com mistérios escondidos nas matas e nas almas que ali vivem.

Os naturais protegiam Manôa – A senhora mãe da terra e, ao mesmo tempo, eram protegidos por Honorato, a cobra-rio-mística, que deu vida ao Jurupari, senhor todo poderoso e guardião das florestas. Para preservar as águas fez surgir a Cobra Grande Boiúna, que espalha pavor com seus olhos de fogo e a Iara, que atrai para o seu palácio de cristal verde no fundo das águas, aqueles que teimam em agredir os rios.

Caiporas e Curupiras também foram evocados para fazer parte deste grande exército místico contra os predadores.

Mas a erva daninha da civilização irrompe do litoral para o interior, propagando-se de maneira ameaçadora.

Em nome do mercantilismo capitalista vivenciou-se um período com um caráter puramente predatório com a exploração indiscriminada do ouro, da prata e das madeiras nobres, além da subjugação dos naturais.

Por outro lado, as expedições e missões artísticas ou científicas do século XIX, funcionaram como uma espécie de catalogação das nossas riquezas.

Dessa maneira, a borracha extraída dos seringais, projeta a Amazônia no cenário mundial. Manaus, a sua capital, graças ao seu requinte, passa a ser reconhecida como a “Paris dos trópicos”.

O seu magnífico Teatro, decorado pelo artista italiano “De Angelis”, recebeu as melhores companhias da Europa e espelha todo esplendor de uma época dourada.

Mas como não há mal que sempre dure ou bem que nunca se acabe, a felicidade sucumbiu em nome da civilização.

Ah! Civilização…

Em nome do seu Deus, envergonhastes o universo ao tentar cobrir as vergonhas dos donos da terra. Pregando sua fé à força, espalhastes doenças e não ensinastes a cura; escravizastes, matastes e queimastes a selva; a fúria da poluição alcançou as águas, o ar e a terra; o caçador, como implacável ignorante, fez desaparecer várias espécies vegetais e animais.

Ao ver tanta crueldade e pressentindo o perigo de que todos os ensinamentos contidos em cada recanto da floresta sucumbissem, surge da dor e das lágrimas de Tupã uma planta mágica, nascida da eterna luta entre o bem o e o mal. Desta planta brotaria uma flor, que por sua vez, se transformaria em singelo fruto.

Tendo os índios Maués como guardiões protetores, ganhou o fruto o nome de guaraná e traz ao homem, com sua energia, o ideal da redenção.

Com o formato dos olhos de Tupã, tem o poder de nos lembrar que “ele” tudo vê e tudo sabe. Em sua extrema bondade, dotou a bebida feita desse fruto com o poder de abrir as portas divinas e renovar o pacto do homem de alma humilde com as energias superiores, assim como era no princípio e nunca deixou de ser para aqueles que não se deixaram levar pela ambição.

Em nome da nossa própria sobrevivência, rogamos que a grande floresta continue a ser guardada e protegida pela densidade e força mágica dos milhares de seres místicos que nela fazem morada.

Que os encantos da Iara, as pegadas trocadas do Curupira ou mesmo as peripécias do Saci-Pererê, mantenham afastados os predadores cruéis.

Reine absoluto Jurupari, senhor da floresta, pelo bem de todos nós.

E que juntos, numa junção de energias universais, possamos enfim compreender que o Eldorado de fato é real, mas de ouro não é não, nem mesmo diamantes ou esmeraldas. Que todos se dêem conta que o verdadeiro Eldorado é verde e brota no coração da floresta. Que nas suas folhas, ramagens, cipós, flores e ervas estão guardados os segredos para a cura dos males do corpo e do espírito.

Que a nossa guerra seja por um mundo melhor, por saudáveis gerações.

Que a nossa luta seja eterna para preservarmos uma dádiva infinitamente valiosa: A água – O fantástico combustível da vida.

Como guerreiros, transformarmos a sede que ameaça o planeta, em sede permanente da batalha por um mundo de pessoas com o corpo e a mente sã.

Que o quadro do futuro não seja pintado com os tons de cinza das queimadas, o negro das fumaças das fábricas ou os tons de marrom das águas poluídas, mas que seja sim, tingido com as variadas cores e infinitas matizes que nos legaram todos os deuses:

O verde das matas;

O azul do céu e das águas;

A explosão de cores dos pássaros e das flores…

O branco da paz.

Que ecoe para todo o sempre as vozes dos povos e dos espíritos da Floresta na imensidão verde. Evocando sob a luz da lua cheia os espíritos dos ancestrais pajés feiticeiros, em louvor da deusa Amazônia, a Senhora Guardiã dos Segredos da Própria Vida.

Manôa que virou Manaus. O coração da Amazônia. Uma Terra Santa que Alimenta o Corpo de quem transforma sua fauna e flora em uma forma de vida e de cura, que Equilibra a Alma daqueles que tiveram seu espírito perturbado pelo caos da civilização e Transmite a Paz em tempos em que o homem insiste em declarar guerras.

Comissão de Carnaval – GRES Beija-Flor de Nilópolis

X